Utilizamos cookies para garantir melhor experiência em nosso site. Ao navegar em nosso website, você concorda com esses termos.

Blog

Acompanhe as postagens do Cuidar Idoso.

Velhice não precisa ser sinônimo de fragilidade

Velhice não precisa ser sinônimo de fragilidade


Apesar de o envelhecimento embutir o risco de um maior número de enfermidades, a maioria dos idosos vive de maneira independente e autônoma, mesmo quando tem doenças crônicas. No entanto, passamos por processo similar ao de uma poupança que aos poucos vai sendo dilapidada: com nosso corpo, ocorre o chamado estreitamento da reserva funcional – como uma represa em tempo de estiagem, nosso reservatório de energia vai baixando. Por isso a prevenção é tão importante, para garantir que permaneçamos mais tempo num patamar de vigor e robustez. Movimentar-se é fundamental para repor essa reserva, do contrário embarcamos num autêntico círculo vicioso: menos exercício nos leva a uma perda ainda maior dos nossos recursos naturais!

 

O que muitas vezes acontece depois da aposentadoria é o idoso que era ativo ir "encolhendo" seu território. Fica mais em casa, deixa de fazer programas com os amigos ou viagens. Os especialistas usam inclusive a expressão em inglês life space (espaço da vida) para a área na qual o indivíduo transita no dia a dia, bem como a frequência com que sai da vizinhança ou viaja. Acredite: quanto mais você circular, melhor. Infelizmente, nos grandes centros, a insegurança e a precariedade urbana, como calçadas malconservadas, conspiram contra os mais velhos.

 

Quem transpôs essa barreira de preservação da reserva funcional passa a ser classificado como portador de fragilidade – o que não é estar doente, e sim num estado de vulnerabilidade aumentada. A médica americana Linda Fried e seus colaboradores definiram o "fenótipo da fragilidade" para demonstrar o grau de desregulação energética, fisiológica e funcional. Esse conjunto de características funciona como marcador de um potencial precursor para um declínio progressivo do paciente.


Os marcadores que mostram a redução na capacidade de desempenho são perda de peso não intencional; diminuição da força de preensão palmar; desaceleração da velocidade de marcha em segundos; queixas de exaustão; baixo nível de atividade física. Indivíduos com três ou mais critérios presentes são considerados frágeis; aqueles com um ou dois critérios são classificados como pré-frágeis e os que não apresentam nenhuma das alterações mencionadas são considerados robustos. Já que não podemos alterar a genética, atuar no estilo de vida é a melhor opção para evitar os riscos associados à fragilidade.

O CUIDAR IDOSO não se responsabiliza, nem de forma individual, nem de forma solidária, pelas opiniões, ideias e conceitos emitidos nos textos, por serem de inteira responsabilidade de seu(s) autor(es).

Fonte: http://g1.globo.com/bemestar/blog/longevidade-modo-de-usar