Utilizamos cookies para garantir melhor experiência em nosso site. Ao navegar em nosso website, você concorda com esses termos.

Blog

Acompanhe as postagens do Cuidar Idoso.

Você gostaria de viver 120 anos? Longevidade: benção ou maldição?

Você gostaria de viver 120 anos? Longevidade: benção ou maldição?


Dezenas de empresas milionárias bancadas por investidores de peso, como Sergey Brin, da Google, e Jeff Bezos, fundador da Amazon, vêm reunindo há pelo uma década alguns dos cérebros mais privilegiados em biologia e genética, como a prêmio Nobel Liz Blackburn, para tentar descobrir maneiras de frear o envelhecimento.

Como relata um dos investidores, com uma lógica irretocável: "se doenças, envelhecimento e morte são resultados de processos químicos que obedecem a leis universais da termodinâmica, não há qualquer razão para se pensar que os mesmos não poderiam ser revertidos com outras reações físico-químicas que restabeleceriam o estado de entropia daquela célula ou daquele indivíduo".

Se a lógica do raciocínio é clara, parece interessante que a questão da ciência produzindo longevidade e até imortalidade tenha surgido como um fim em si própria. Vou tentar explicar melhor. Intuitivamente, o caminho mais prático para se lidar com este tipo de problema seria contar com os avanços da medicina, encontrando cura para doenças fatais e revertendo os processos resultantes do envelhecimento.

Reverter os danos do envelhecimento

Os pesquisadores decidiram buscar outra forma de atacar a questão, e estão buscando diretamente formas de reverter os danos provocados pelo envelhecimento. Não se trata de imortalidade pura e simples, mas de não envelhecer. Derivados deste sonho são antigos, e Lindbergh, o herói voador americano, e o bilionário Howard Hughes tentaram suas versões de ciência da imortalidade em meados do século passado.

Não deu certo, como sabemos. Mas a sua persistência rendeu frutos no imaginário de muita gente. Eles foram até apelidados de os imortalistas e renderam pelo menos dois bons livros e um grande documentário. Pois bem, os atuais campeões que patrocinam as pesquisas sobre imortalidade não são muito diferentes dos imortalistas do século XX. Os do século XXI também são multi-bilionários que não conseguem comprar os dois bens mais preciosos para usufruir das suas fortunas: juventude e tempo.

Propostas de imortalidade

Entre as apostas dos pesquisadores da imortalidade se destacam a tentativa de parar o relógio biológico, a substituição de órgãos e tecidos por próteses com materiais muito mais resistentes que nossos órgãos originais e o reparo de danos causados pelo próprio processo de envelhecimento.

Estes processos tem pouco a ver com a descoberta de cura de doenças. Por exemplo, as duas principais causas de morte em pessoas acima dos 50 anos (que já são a maioria da população mundial) são câncer e doenças cardiovasculares. A descoberta da cura de todos os tipos de câncer aumentaria a nossa expectativa de vida em 3,6 anos. Resolver todos os problemas cardíacos, nos adicionaria meros 4 anos.

O processo de envelhecimento

Uma das teorias mais aceitas sobre o processo de envelhecimento, relaciona-se à evolução. O amadurecimento sexual e o tempo de procriação de nossa espécie faz com que a velocidade de envelhecimento do nosso corpo seja muito lenta até os 30 anos. Se envelhecêssemos na velocidade que este processo ocorre entre os 20 e os 30 anos, viveríamos 2.000 anos. Depois disso, é como se a natureza perdesse o interesse nos nossos corpos.

Cumprida a função de procriação, certos elementos guardiões do bom funcionamento de nossos órgãos e especialmente da integridade do nosso DNA colapsam rapidamente. O fato dos nossos sistemas de defesa do envelhecimento ruírem de forma rápida após os 30 anos nos sugere um raciocínio no mínimo intrigante: não seríamos determinados a envelhecer por um desígnio imutável da natureza, mas poderíamos detectar os resíduos genéticos de processos biológicos que passam a não funcionar bem, e aprender a corrigi-los.

Estratégias da longevidade


As estratégias para consertar mutações e outras alterações genéticas acumuladas com o passar do tempo são surpreendentemente engenhosas e envolvem a cooperação das áreas de conhecimento mais distintas possíveis. A química básica e a biologia molecular prometem medicamentos capazes de restaurar o funcionamento de genes desligados de forma inadequada.

Magos da biologia celular unidos com gênios da análise de proteínas, prometem serem capazes de restaurar o DNA danificado de um indivíduo através do reparo com enzimas editoras de DNA e inseri-las em células tronco que reativariam nosso relógio biológico completamente.

Uma das empresas de biotecnologia mais inovadoras trabalha com a ideia de nano-robôs capazes de "limpar" certos resíduos que promovem oxidação do DNA, um dos fenômenos mais importantes no processo de envelhecimento. Finalmente, a integração de todas as informações fornecidas por processos químicos associados ao envelhecimento e danos progressivos no DNA precisam ser conhecidas e mapeadas individualmente.

Coletar e processar informações é exatamente a área em que os cientistas do Vale do Silício estão mais à vontade. É por isso, que estes projetos podem resultar em algo bom para a espécie humana. A capacidade de aglutinar massas de informações e transformá-las em padrões inteligíveis pode nos levar a compreender muito do porquê envelhecemos.

Já conseguimos muito. Mesmo sem saber como envelhecemos, medidas dietéticas, mudança de hábitos de vida e controle de doenças por meio de prevenção e da melhoria dos tratamentos quase dobrou a nossa expectativa media de vida nos últimos 100 anos.

Imortalidade: benção ou maldição?

Não acredito que muitas pessoas estariam interessadas em imortalidade. Mas acredito que quase todos aceitariam de bom grado viver até os 120 anos com plena saúde. Esta é uma meta possível, em médio prazo, na medida que destrinchamos os mecanismos que nos tornam vulneráveis a doenças da terceira idade, como diabetes, osteoporose, neurodegeneração, câncer.

Quanto à imortalidade. Bem, os antigos nos advertiram sempre que esta não é uma benção, mas uma maldição. Gilgamesh, na saga mais antiga registrada por escrito, é testemunha do desespero que é ser imortal enquanto pessoas queridas envelhecem e morrem.

Os imortais de Jorge Luis Borges, ficam estáticos, sem ânimo de fazerem qualquer coisa, porque nada tem qualquer sentido sem a morte. Drácula só atemoriza os aldeãos locais em busca de algum sangue fresco, mas a sua historia é de tragédia por ser eterno e ele busca, na verdade, uma forma de morrer.

Pessoalmente, prefiro que este assunto ainda resida apenas no reino da ficção dos multi-bilionários, até nos tornarmos uma espécie em que viver para sempre seja uma forma de felicidade e não de horror ou maldição para si próprio ou para os outros.

Por Bernardo Garicochea - Hematologista e  ecologista, diretor de pesquisa de oncologia do Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo.


O CUIDAR IDOSO não se responsabiliza, nem de forma individual, nem de forma solidária, pelas opiniões, ideias e conceitos emitidos nos textos, por serem de inteira responsabilidade de seu(s) autor(es).

Fonte: http://veja.abril.com.br/blog/letra-de-medico/