Dr Igor Conterato Gomes

📚Doutor em Saúde Pública-USP 🎓Professor Universitário (Ed. Física) 📝 Coordenador de Pós-Graduação 🎤 Palestrante 📈 Pesquisador 💑

Natal

Selo:

Sem avaliação

📚Doutor em Saúde Pública-USP 🎓Professor Universitário (Ed. Física) 📝 Coordenador de Pós-Graduação 🎤 Palestrante 📈 Pesquisador 💑

Natal

“Treinando Idosos: da Bengala ao Sprint” está relacionada ao idoso que agora já consegue correr.

Esse é o título do próximo livro que estou escrevendo e é tema de curso que já ministrei aqui em Natal e agora vou ministrar em Caicó (08/04) e Londrina, esse será on line (12/05). Esse post será dividido em três partes, sendo essa primeira parte voltada para idosos que utilizam bengala para se locomover e você começa dar aula de #personal para ele. E agora, o que fazer?

Afinal, como começar a treinar um idoso que utiliza bengala?

➡️ Avaliação Funcional - recomendo a bateria proposta por Rikli e Jones (1999), mas não basta apenas avaliar o resultado, filme a avaliação para depois analisar cada detalhe. Analise o teste além dos números. .

➡️ Anamnese Clínica – Identificar doenças é importante, uma vez que estamos falando de indivíduos com dificuldade de locomoção e possivelmente outros problemas crônicos. Faça essas perguntas com algum parente próximo, para que ele concorde com as respostas. . . .

➡️ Identifique Sarcopenia e Fragilidade – Não sabe como identificar? Veja os posts mais antigos que eu explico passo a passo.

Mais do que apenas identificar e comparar as melhoras do seu treinamento, esses testes irão nortear a periodização para seu aluno.

👴Idoso com Bengala:

➡️ Note como ele utiliza a bengala para caminhar e faça as devidas correções, isso aumenta a mobilidade e diminui o risco para quedas. .

➡️ Utilize a bengala como apoio durante os exercícios em pé. Sim, trabalhe muito exercícios em pé, pois além da melhora da força muscular, irá melhorar o equilíbrio e proporcionar maior segurança para o dia a dia dele. .

➡️ Faça exercícios que ele utilizará no cotidiano, isso auxilia a execução das atividades básicas e instrumentais da vida diária. Aqui se realiza o treinamento que é essencialmente #funcional. Aumento da autonomia é a parte mais importante para esse indivíduo, pois o próximo passo é ele sair de casa e realizar os exercícios na academia.

Bom, afinal, pensando em melhora funcional do idoso, qual promove maior resistência a fadiga, utilização de máquinas ou pesos livres?
A diminuição da funcionalidade é um processo inerente do envelhecimento ou ela está muito mais ligada ao estilo de vida?

Qual a importância do treinamento concorrente na melhora da promoção de saúde de idosos?

Métodos avançados de treinamento de força para idosos corredores (drop-set, rest-pause e oclusão parcial). Como avaliar a aptidão cardiorrespiratória de idosos corredores?

Foi-se o tempo em que acreditávamos que todos os idosos eram frágeis e que depois de aposentados o indivíduo tinha que ficar em casa sem fazer nada. No entanto, infelizmente, apenas 14% dos idosos são ativos fisicamente e desses, apenas 10% são treinados a ponto de conseguirem correr.

Ser idoso não é ser doente e nem ser frágil, não subestime seus alunos com 60 anos e mais, muitos são muito mais fortes do que você.

Selo

Avaliações

Nota Geral

(84) 99998-2612

igorcontgomes@gmail.com (Enviar contato)

Natal, RN, Brasil